Trancar A Porta Do Seu Quarto Não Impede O Demônio De Te Encontrar 2 607

Postado por Marco Antonio Marrento.

Trata da história de um rapaz que assalta a padaria em que toma o café da manhã diariamente quando do seu aniversário de 29 anos, porque não há emoções muito fortes na sua vida. A constatação do sentimento de tédio o leva a buscar alguma aventura, e o enredo é contado do ponto de vista da dona do estabelecimento, que teve no passado um relacionamento afetivo com o recém autodeclarado bandido. A trama se passa em uma grande cidade, e tem duração aproximada de quarenta minutos, tempo este que é o necessário para que o aniversariante desjejue com café preto e torta de limão, assalte o lugar e fuja correndo a pé.

O cara em si é um trabalhador comum, que tem pais abastados e só arranjou emprego para fugir da dominação dos ditames dos bons costumes que a vida em uma família rica pode proporcionar. Ao invés de se preocupar com que tipo de talher seria adequado para comer tal ou tal refeição, ele prefere se preocupar com questões como o pagamento do aluguel e do condomínio, e com os horários de ônibus para ir e voltar do trabalho. É o exemplo clássico do homem médio urbano, que vive aos finais de semana, e odeia segundas-feiras, sem racionalizar muito sobre isto, no entanto. Passa o ano inteiro pensando em como seria bom se fosse já dezembro, porque a empresa em que trabalha cede férias coletivas a todos os funcionários (com exceção dos porteiros e vigilantes, claro) para as festividades de fim de ano. E a praia, pela qual o tal dezembro aparentemente clama, para ele, é quase que a Atlântida dos pesquisadores da antiguidade. Algo razoavelmente distante, como um ideal alto demais.

O título se refere à idéia de que zonas de conforto são perigosas.

O que me dizem sobre?

Lendo e relendo: Umbrella Academy – Suíte do Apocalipse – quadrinhos criados e escritos por Gerard Way (frontman do My Chemical Romance), desenhados pelo brasileiro premiado internacionalmente Gabriel Bá, e coloridos por James Jean, menos notório que seus companheiros.

Beijos a todos.

Previous ArticleNext Article

2 Comments

  1. só uma errata. o nome do colorista de Umbrella Academy é Dave Stewart. O CAPISTA é James Jean, e ele é um cara notório, ao contrário do que pensei.

  2. Minha opinião (lembrando que eu não sou ninguém): Faz pensar, mas acho que precisa de mais pimenta. Dá pra ser existencialista com adrenalina na veia também… É um tema interessante, porém precisa de uma leitura original, afinal não se trata de uma temática inédita…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Distante das Linhas de Nazca 0 968

Thiago Orlando Monteiro

Alguns vazios aumentam sempre que tentamos preenchê-los. E geralmente, porque tentamos preencher com algo que não nos cabe, ou no mínimo não nos pertence.

Não há muito que se ver aqui em cima. Menos ainda há o que se orgulhar. O cinzeiro está transbordando de cigarros. Por cima da mesa são quatro maços vazios e mais um pela metade. Tem outro vazio que não dá pra ver, embaixo do sofá, mas isso é sobre outro dia. As latinhas de cerveja entulhavam a mesa de centro até agora pouco, agora só restam sete, as outras estão sobre a pia. São quatro e meia da manhã, não há mais tempo de se arrepender de nada.

O fluxo de ideias vem numa vertente capaz de mudar o curso de um rio. São dois furacões que espalham tudo o que acabaram de criar. Instantes após o caos a calmaria tenta se fazer presente. Mas não. Esse tipo de sentimento não é bem-vindo, não agora. O cartão de crédito transforma a pequena montanha em linhas. Tudo começa novamente. E só acaba um grama depois.

Nossos impulsos ruem nossa integridade. E como costuma acontecer, ruínas geram ruínas.

O nascimento do sol enfim consegue barrar o curso desse desastre natural. A sensatez, rara nessas condições, permite que três latas de cerveja descansem na porta da geladeira. Um banho quente ajuda a relaxar o corpo. Mas agora, nada é capaz de parar a mente. Já debaixo do lençol o coração bate como uma britadeira. O medo da vida toma conta outra vez. É curioso como tudo sempre lembra o seu contrário. Minha maior vontade era de não estar aqui. Perto de tudo o que me corrói e tão distante das linhas de Nazca.

Escrito pelo Gabriel Protski

Ilustrado pelo Tho

Carta a Hunter S. Thompson 0 784

A temporada de futebol americano ainda não acabou. Ainda faltam bombas. Faltam andanças. Faltam confusões. Ainda falta muita diversão. Que venham mais 67. Mais 17. Que apenas venham. Mesmo que doa. Mesmo que canse. Mesmo que seja obrigado a conviver com o gosto de cloro. Talvez isso não seja plano para mais ninguém. Não importa. Que sigam os jogos, a temporada está só começando.

 


 

Carta de suicídio de Hunter S. Thompson:

“A temporada de futebol americano acabou.

Chega de jogos. Chega de bombas. Chega de andanças. Chega de natação. 67 anos. São 17 acima dos 50. 17 mais dos que necessitava ou queria. Aborrecido. Sempre grunhindo. Isso não é plano, para ninguém. 67. Estás ficando avarento. Mostra tua idade. Relaxe. Não doerá”

 


 

Gabriel Protski