A felicidade provavelmente existe, mas é outra coisa 0 525

postado por Rafaé.

M;

Já-não-sei-quanto-tempo-depois, volto a lhe escrever. Desta vez, sem motivo maior, desculpa ou queixa. Estou apenas relembrando alguns hábitos abandonados no passado. Juntamente às tardes no café a três quadras da catedral, inventando perfis de frequentadores desconhecidos, resolvi voltar a lhe escrever.

Como é difícil escrever a quem já não conhecemos. Sinto-me inseguro em questionar sua vida. Seus sonhos ainda são sonhos? O que seus desejos lhe renderam? Quais livros tem instigado as suas atitudes? Sempre gostei de saber dos livros que estiveram em suas mãos.

Lembro-me bem das tardes em que passava imersa em seus livros, pois via neles o único lugar da casa onde ainda se podia estar sossegada.

Trocaria meu conforto diário para ter acesso aos seus livros. Perco a conta das noites em que sonhei visitando suas páginas lidas, com sublinhados, anotações e desenhos. Quando marcamos algo na página de um livro estamos deixando uma carta a alguém. Como eu gostaria de ser o seu destinatário…

Deus sabe o quanto eu gostaria de saber um pouquinho que fosse sobre você. Apenas pra poder puxar um assunto. Até mesmo nos convencer de que me interesso pela sua vida. Um interesse maior do que a simples vontade de escrever.

O desejo de me reportar a você surgiu no amanhecer de ontem. Sentado naquela mesma pedra à beira do rio em que ficávamos para ver o nascer do sol – que geralmente nascia minutos após o dia clarear, por trás das nuvens. Voltei lá.

Enquanto o sol não aparecia, lembrei das nossas disputas, em dar nomes de filmes às nuvens de acordo com suas formas. Sua imaginação sempre fora menos lógica. Lembro do dia em que nomeou uma nuvem de O Segredo pois ela tinha um “formato inexplicável”. As nuvens perdem forma e significado muito rápido; sem citar as que se dissolvem. Mas a O Segredo nunca deixou de honrar o nome, pois seu formato nunca se explicou.

Mas minha frustração foi inevitável. Nuvem alguma me lembrou filme. Não sei se minha percepção está destreinada, ou você me conduzia a realidades em que não transito só. O fato é que nem mesmo as nuvens me tiraram do tédio de esperar um sol radiante que me expulsaria dali em minutos.

No fundo, acho que as nuvens são como as sensações: todas básicas. É a maneira como a gente as compreende que pode salvá-las.

Parece-me vã a preocupação em lhe escrever. Já não sei mais quem é você. Que hábitos possui. Que valores compartilharíamos. Não sei sequer se continua a usar este e-mail.

Já-não-sei-quanto-tempo-depois, volto a lhe escrever. Seja como for, onde estiver, espero que esta lembrança a encontre em companhia de bons livros, que lhe possibilitem nomear, cada vez mais, nuvens inomináveis.

Com todo o amor que me ensinou a compreender,

H.

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Distante das Linhas de Nazca 0 965

Thiago Orlando Monteiro

Alguns vazios aumentam sempre que tentamos preenchê-los. E geralmente, porque tentamos preencher com algo que não nos cabe, ou no mínimo não nos pertence.

Não há muito que se ver aqui em cima. Menos ainda há o que se orgulhar. O cinzeiro está transbordando de cigarros. Por cima da mesa são quatro maços vazios e mais um pela metade. Tem outro vazio que não dá pra ver, embaixo do sofá, mas isso é sobre outro dia. As latinhas de cerveja entulhavam a mesa de centro até agora pouco, agora só restam sete, as outras estão sobre a pia. São quatro e meia da manhã, não há mais tempo de se arrepender de nada.

O fluxo de ideias vem numa vertente capaz de mudar o curso de um rio. São dois furacões que espalham tudo o que acabaram de criar. Instantes após o caos a calmaria tenta se fazer presente. Mas não. Esse tipo de sentimento não é bem-vindo, não agora. O cartão de crédito transforma a pequena montanha em linhas. Tudo começa novamente. E só acaba um grama depois.

Nossos impulsos ruem nossa integridade. E como costuma acontecer, ruínas geram ruínas.

O nascimento do sol enfim consegue barrar o curso desse desastre natural. A sensatez, rara nessas condições, permite que três latas de cerveja descansem na porta da geladeira. Um banho quente ajuda a relaxar o corpo. Mas agora, nada é capaz de parar a mente. Já debaixo do lençol o coração bate como uma britadeira. O medo da vida toma conta outra vez. É curioso como tudo sempre lembra o seu contrário. Minha maior vontade era de não estar aqui. Perto de tudo o que me corrói e tão distante das linhas de Nazca.

Escrito pelo Gabriel Protski

Ilustrado pelo Tho

Carta a Hunter S. Thompson 0 779

A temporada de futebol americano ainda não acabou. Ainda faltam bombas. Faltam andanças. Faltam confusões. Ainda falta muita diversão. Que venham mais 67. Mais 17. Que apenas venham. Mesmo que doa. Mesmo que canse. Mesmo que seja obrigado a conviver com o gosto de cloro. Talvez isso não seja plano para mais ninguém. Não importa. Que sigam os jogos, a temporada está só começando.

 


 

Carta de suicídio de Hunter S. Thompson:

“A temporada de futebol americano acabou.

Chega de jogos. Chega de bombas. Chega de andanças. Chega de natação. 67 anos. São 17 acima dos 50. 17 mais dos que necessitava ou queria. Aborrecido. Sempre grunhindo. Isso não é plano, para ninguém. 67. Estás ficando avarento. Mostra tua idade. Relaxe. Não doerá”

 


 

Gabriel Protski