25 de dezembro e afins 0 585

Henrique, o Chefe

Este não é um texto saudosista qualquer, daqueles em que a saudades é injustificada e que em breve será tratada por algum inibidor de recaptação de serotonina ou derivado, como qualquer mal do coração. Aquela saudade parcial, mentirosa. Não.

Imagine um fio de energia elétrica, com várias lâmpadas toscas, coloridas a mão, penduradas de forma precária em torno de uma árvore precária. Milhares de doses de substâncias químicas entram no cérebro da criança de 8 anos, tornando o passeio de bicicleta uma aventura mágica, cheia de cores, com expectativas imediata ou posteriormente atendidas.

Agora em um local realmente lindo, com uma companhia mais que linda, em um final de dia lindo, surge uma alegria branda, justa apenas. E um desespero tão grande, que não permite aceitar tal saudades. É Natal, novamente.

Previous ArticleNext Article

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Na rua 0 1418

Ser morador de rua na época do Natal é um inferno. Eu lembro no meu primeiro ano na rua, sentado na calçada, no meio-fio, enquanto todo mundo andava com suas famílias gastando, comprando presentes, roupas, e isto e aquilo, sabendo que nenhum deles ia parar para me desejar um Feliz Natal, ou me comprar um presente.

Nessa época as pessoas ficam felizes em saber que você está só no fundo daquelas cenas bonitas cheias de luzes e vitrines brilhantes, sem fazer parte de verdade daquele cenário, mas vocês não têm ideia do quanto eu queria que minha família estivesse comigo, mesmo que sem nenhum embrulho da Renner cheio de laços vermelhos e sacolas com desenhos de festa. Eu só queria um abraço. Porra! Vocês não têm ideia do quanto essa coisa de viver na rua é difícil. Vocês não têm ideia…

Se você parar pra pensar, é engraçado porque quando eu fugi de casa, foi pra ficar livre da minha família. Eu era novo, um moleque ainda, e queria fazer as coisas do meu jeito. Saí sem olhar pra trás, e sem pensar na frente, pronto pra ser dono do meu nariz. No primeiro dia, dormi no banco da praça e acordei com a primeira luz do sol, brilhando como a minha liberdade. No segundo, deitei na frente de uma loja, mas no meio da noite os cana me acordaram e enxotaram com chute de botina. No terceiro eu senti saudade da minha cama e tentei voltar pra casa. Andei a noite inteira e, quando cheguei na porta, meu padrasto não me deixou entrar. Eu via minha mãe lá dentro chorando com a cabeça apoiada na mesa, sem fazer nada por mim enquanto aquele velho escroto gritava comigo. Entrou e bateu a porta. Da minha própria casa. Na minha cara. Vocês não sabem, mas foi difícil.

Se você me perguntar hoje onde é a minha casa, eu vou dizer que é em todo lugar. E em lugar nenhum. E onde eu quiser, ou onde vocês não quiserem mais. Igual a essas roupas que eu ganhei de alguém que não ia mais usar uma camiseta manchada. Pra mim, é melhor que morrer de frio, né? Porque à noite a rua é fria mesmo nessa época. Mas aposto que se essa mesma pessoa estivesse aqui na minha frente, ela não ia nem me olhar na cara! Nem um Feliz Natal. Vocês não têm ideia do quanto é difícil. Mas hoje eu não tô aqui pra pedir dinheiro não. Quero mesmo é um presente. Um emprego, pra eu poder sair da rua, ter uma cama, tomar um banho e café da manhã. É tudo que eu quero. Se alguém puder ajudar, eu to sempre aqui, tá? Desculpa atrapalhar a viagem de vocês, mas é que por enquanto esse trem também é minha casa hehe.

– Próxima estação: Luz. Desembarquem por ambas as portas.

Texto: André Petrini
Foto: Simon & His Camera

Distante das Linhas de Nazca 0 963

Thiago Orlando Monteiro

Alguns vazios aumentam sempre que tentamos preenchê-los. E geralmente, porque tentamos preencher com algo que não nos cabe, ou no mínimo não nos pertence.

Não há muito que se ver aqui em cima. Menos ainda há o que se orgulhar. O cinzeiro está transbordando de cigarros. Por cima da mesa são quatro maços vazios e mais um pela metade. Tem outro vazio que não dá pra ver, embaixo do sofá, mas isso é sobre outro dia. As latinhas de cerveja entulhavam a mesa de centro até agora pouco, agora só restam sete, as outras estão sobre a pia. São quatro e meia da manhã, não há mais tempo de se arrepender de nada.

O fluxo de ideias vem numa vertente capaz de mudar o curso de um rio. São dois furacões que espalham tudo o que acabaram de criar. Instantes após o caos a calmaria tenta se fazer presente. Mas não. Esse tipo de sentimento não é bem-vindo, não agora. O cartão de crédito transforma a pequena montanha em linhas. Tudo começa novamente. E só acaba um grama depois.

Nossos impulsos ruem nossa integridade. E como costuma acontecer, ruínas geram ruínas.

O nascimento do sol enfim consegue barrar o curso desse desastre natural. A sensatez, rara nessas condições, permite que três latas de cerveja descansem na porta da geladeira. Um banho quente ajuda a relaxar o corpo. Mas agora, nada é capaz de parar a mente. Já debaixo do lençol o coração bate como uma britadeira. O medo da vida toma conta outra vez. É curioso como tudo sempre lembra o seu contrário. Minha maior vontade era de não estar aqui. Perto de tudo o que me corrói e tão distante das linhas de Nazca.

Escrito pelo Gabriel Protski

Ilustrado pelo Tho