Texto de em 15 de Maio de 2017 . Nenhum comentário.

– Alô, por favor a Ana Paula.

– Oi, ela mesma, quem fala?

– Aqui é da imobiliária do Teodoro. Fomos informados que você está deixando o imóvel e gostaríamos de repassar a lista de reparos constatados na última vistoria.

– Oi? Acho que foi engano, eu não estou deixando imóvel nenhum.

– Você não é a Ana Paula Guimarães?

– Sim, mas que imóvel é esse?

– A cabeça do Teodoro, onde você estava morando pelos últimos seis meses. O proprietário solicitou a rescisão do contrato.

– O que, cabeça do Teodoro? Eu tava morando lá?

– Sim, estava. Mais precisamente desde 20 de novembro de 2016, quando vocês tiveram relações íntimas, conforme consta aqui no relatório de entrada.

– Meu Deus, mas foi só uma noite. Nunca rolou mais nada entre a gente.

– Srta. Ana Paula, isso não quer dizer que você não estava morando lá. Pelo que consta aqui, ele bem que tentou continuar a relação. Você era o crush.

– Nossa, que coisa… seis meses?

– É, isso mesmo. Posso prosseguir com a lista de reparos?

– Po.. pode, mas como assim?

– Primeiramente será necessária a pintura padrão, tendo em vista que o imóvel está sem cor e bastante desgastado com a situação. Além disso, há alguns cômodos com rachaduras, como o coração, por exemplo, que deverá ser restaurado.

– Mas o coração nem na cabeça fica!

– É claro que fica, Ana. Tudo fica na cabeça, você não sabia? Ah, e há também algumas manchas, como a tatuagem no pulso esquerdo, que deverá ser removida.

– Tatuagem? Ele tatuou meu nome?

– Não, querida, não seu nome. É um pássaro negro. Quando ele olha, lembra da vez em que você tocou Blackbird no violão e isso machuca bastante.

– Mas como eu vou tirar essa tattoo?

– Aí é com você. Não nos responsabilizamos.

– Gente, que absurdo.  Vocês de imobiliária são bem safados, né?

– Que horror, Ana! Espero que compreenda que as coisas funcionam assim. Usou, tem que arcar com os custos. Nós só estamos prezando pela integridade do imóvel e do proprietário. E bem, não dá para dizer que você foi uma inquilina muito cuidadosa.

– Mas eu nunca tratei ele mal. Só não rolou, sei lá. Não deu mais liga.

– Não é bem isso que consta no relatório. Provocações, respostas secas, falsas esperanças, pity likes… uma bagunça.

– Mas isso é tudo coisa da cabeça dele!

– Justamente!

– Afff…

– Ah, e há também algumas taxas administrativas, como a das cervejas.

– Cervejas?

– As que ele bebeu para te esquecer.

– Ah, pode parar. Aliás, acabei de me lembrar que ele andou pegando umas e outras nesse tempo. Eu não fui a única moradora, não!

– Sinto muito, Ana Paula, mas eram todas visitas. A inquilina efetiva é você.

– Que diabos! E aquela guria que ele pegou na minha frente?

– Ah… aquilo… foi apenas uma estratégia fracassada para lhe causar ciúmes. Sabe como é, ameaçar vender o imóvel para agregar valor. Porém nada aconteceu, devido ao seu claro desinteresse.

– Que merda, hein…

– Ana Paula, estaremos enviando o orçamento completo para o seu e-mail. Gostaria de lembrar que após a entrega das chaves, será necessário solicitar o desligamento da luz.

– Luz?

– A luz dos olhos do Teodoro quando ele te vê. Ainda brilham.

– Entendi…

– Muito obrigada por sua atenção. Tenha um bom dia.

 

Murilo.

 

Crédito Foto:Alex E. Proimos Flickr via Compfight cc