Esse pacote não me convence mais 0 104

Crianças, afastem-se, eu cuido disso

Melhor começar esse show logo!

Que crianças encantadoras!

É melhor você começar isso logo, vamos lá, trompetes e saxofone!

Eu não acredito em instrumentos, a alegria deles é equivalente a uma punição

Calma, calma, a cabeça deles que é um buraco de fezes asqueroso

Não existe pessoa no mundo com a capacidade de cultivar genuinamente feliz esse hábito edificante

Os nazistas nunca conseguirão entrar aqui

Sério? Eu achei que nós éramos os nazistas

Por que os seus amigos são tão sujos?

Sai fora! Por que os seus são tão bêbados?

Com vocês, os poderes do crescimento da hipófise

O que você está lendo, algo sobre cães?

Não, algo sobre meninos perdidos no deserto de Sonora

Só ouvi quando tocaram a marcha fúnebre

Aquela noite foi uma loucura

Será que posso rezar por aqui?

Veja, são os soldados de Deus!

Alguém aqui já leu Levíticos?

Alguém aqui já assistiu “Uma linda mulher”?

Foi assim, perfeitamente

Um tribunal juvenil, uma corte regida por crianças, é uma infantocracia?

Trompetes soando e os saxofones introduzindo um solo novo

Jamais será possível reconhecê-los a partir destas imagens

Um retrato do protestantismo e do revisionismo contemporâneos

Não, nada disso, são textos soltos sobre gente que nunca brigou

Eu apoio os direitos individuais

Apoia porra nenhuma!

Precisa-se de uma babá ou de um general de verdade?

Os dois, e que de preferência saiba jogar Xadrez!

Vamos lá tomar a sopa da sopeira

Lei do ataque sem trégua

Mergulho até as profundezas

De olhos bem abertos

Então você verá

Vai ser perfeito

Pique esconde

White peaks after shift

Three times per week

Me and my Goodfellas

Parece uma boa tentativa

Eu tinha planos, eu ia ser um cara daqueles vidrados

Você sabe como são os homens

Nós temos de ficar lendo isso tudo que está impresso, são muitas horas

Ele vai levantar, espera só um minutinho

É uma honra senhor

Ovelha perdida, é isso aí

Acho que não tem lugar pra mim aqui

Tô meio tremendo

Descobriu quem será o homenageado desta semana?

Você ficará chocado!

A única coisa maior que você é você amanhã

Foi o que disse Bartolomeu pra Homero

Day by day

Ninguém pode tocar neles: são os intocáveis, hihihi

Óh jovens sem rumo, sem censura, sem cabelo suficiente para colorir

Me solte, me solte e saia daqui

Mãe, esse é o seu vestido de casamento?!

Eu odeio ficar neurótico

Leva de volta as que sobraram

Então eu não posso sair todo fim de semana?

Eu já tenho 18 anos!!!! HUUUGRAA!

Chimpanzé xacoco

Eu vou dizer o que ninguém quer ouvir

Chega dessa palhaçada de dia dia

Esse pacote não me convence mais

Você abriu um precedente de testemunho contra todas a pessoas do mundo

Defesa, ataque, são todos amigáveis

É apenas um ritual

Você quer brinca ou não?

Eu gritei: alguém ai está disposto! Porque isso dói, isso dói tanto!

Vai, julgue senhora controladora, só você foi intimidada nesse contexto todo? Acha mesmo

Meu irmão vai ser condenado injustamente

Agora some logo daqui

É hora de ir embora, você não pode realmente ajudar

Bondade é pura covardia

Ei, mas que droga é essa?!

Estão me chamando

Crianças, como eu amo todas elas

Às vezes nem tanto

Eu não conheço bem os apóstolos originais

Apenas aprendi o necessário

Pra dizer a verdade, eu sempre prestei bastante atenção nas aulas

Justiça seja feita

Sem trilha sonora de Star Wars

De que lado você está?

Do lado do meio!

Difícil de acreditar

Eis aqui a verdade sobre um doador de órgãos

Caso encerrado

Espero que você siga a tendência de ser bom daqui pra frente

Em último caso, se torne um herói

Mas não daqueles que acaba com as mãos na cabeça

Que bom, amei essas suas flores na barba

Se eu te disser uma coisa, você diz que acredita?

Ahahahahahaha

Não acostuma, não posso ficar sempre falando que é aniversário da minha avó

Mano, se liga, tem um percevejo vivo ainda!!!

Sério, parei agora, chega desse negócio de meme verbalizado

South America MOTHER FUCKER

Eu tô engolindo muito sapo, óh

O tempo tá acabando

There’s moonlight on the river

Todo mundo morre no final

Deitar-me faz em verdes pastos

Eu rezo todo dia

Talvez essa vez seja a minha

The end

Bj

 

Texto: Jadson André

Ilustração: Caroline Rehbein 

Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

maculada 0 203

Tenho cá pra mim que deveria ser obrigatório parar pra saborear a lua por uns minutos quando ela está imensa lá no céu. Deveria ser mesmo uma lei: não admirou a lua cheia nesta quinta-feira? Vem a multa pelo correio. Não deu uma mordidinha sequer durante toda a semana? Vem a polícia da lua até a sua casa para ver o que se passa. Algo não está a correr bem.

Naquela época, as coisas não estavam mesmo bem. Quando as manchas começaram a aparecer , foi um desespero. Google, médicos, Google, exames, Google, dermatologistas, diagnósticos, tratamentos. Céus! Não era coisa que se pudesse esconder, aí é que estava o medo. Na pele. O medo era feito de manchas e as manchas eram feitas de medo. Céus! Foi minha família que me segurou, se não eu não aguentava. Juro que não aguentava. Eu queria quebrar os espelhos, queria que as selfies não estivessem mais na moda. Que as pessoas fossem um pouco mais cegas dos olhos e menos do coração.

Então uma vez estávamos eu e a minha filha sentados na varanda da casa de veraneio. Começava a anoitecer. Ela tinha nessa época uns sete anos de idade e um mundo inteiro por descobrir.  Admirávamos o céu, como há muito tempo eu não fazia.

Ela disse: “Olha, mãe, a lua tem manchas igual você”.

E depois: “Ela é linda, não é?”

E então a lua que move marés formou um oceano inteiro dentro dos meus olhos.

Nunca estivera tão feliz. Abracei a pequena; clarear a noite dela me bastava. Porque eu era também o reflexo do reflexo. Destas luas que não ficam bem em qualquer foto. Destas que têm manchas e crateras, sim, mas que balançam os mares e iluminam toda uma vida. E que giram e giram e giram e às vezes cometem suspiros dentro do peito dos poetas.

 

Murilo.

O estranho caso da sommelière de lágrimas 1 323

Por Mariana Porto

 

No dia em que nosso amor morreria, você me trouxe um vinho de qualidade questionável e disse “isso é pra você aprender que a vida pode te surpreender”. Na hora, juro que fiquei inicialmente sem entender, já que o fato do vinho ser meio agressivo eu já esperava. No entanto, confesso que isso jamais tinha sido um problema em nossa relação.

Sem medo de parecer clichê, posso dizer que seus beijos sempre harmonizaram tão bem, e que sua boca me preenchia com tanta delicadeza, que mesmo se eu tivesse acabado de tomar uma dose da pior cachaça da praça, ainda assim, me desceria com o frescor mais equilibrado que já provei.

Mas, naquele dia, eu senti tudo como um grande coice, de uma brutalidade que foi realmente inesperada. Você segurou meu rosto, se despediu, e me deu um beijo seco. Sua mão estava suada, mas entendo que também não deve ter sido fácil pra você — tanto me dizer adeus, quanto tomar aquele vinho ruim.

Você saiu e bateu a porta, me deixou e deixou aquela garrafa que, no fim, fiz questão de guardar como souvenir, só pra lembrar do azedume que nosso amor se tornou. Serviu também para não esquecer de que você me largou ali, sozinha, e tomando aquele vinho vagabundo diluído em uma tristeza profunda. “Sommelière de lágrimas”, é um título eu ostento até hoje por sua causa.

Mas, sendo bem sincera, admito que eu guardo essa garrafa vergonhosa principalmente como uma artimanha pra tentar me impedir de sentir saudades. Essa saudade de quando eu poderia me embriagar inteira de você, e ainda me manter de pé. Feliz. Com a boca preenchida, com o frescor do amor novo. Porque eu sinto sim saudades. Todos os dias. Desde o dia que nosso amor pareceu que morreu.

“Oh you are in my blood like holy wine
You taste so bitter
And so sweet oh
I could drink a case of you darling and I would
Still be on my feet
Oh I would still be on my feet”