Sentido: Conceito Abstrato 1 218

Redimunho? Uuhuulll!

A confusão – que costuma presenciar momentos singulares – toma conta da linha de raciocínio. Os olhos buscam enquadrar, a já inexistente materialização visual cristã do espírito santo: o vento. Girando a cabeça inquietamente, a adrenalina nubla o discernimento e confunde a compreensão fina do que é real e inventado. Um redemoinho passou muito rápido; as lentes da câmera não registraram o que os olhos captaram para sempre.

Seguinte, acabou de passar um tornadinho aqui.

Enfim as mãos oscilam um pouco menos, o foco volta a auxiliar o mecanismo ocular, é hora de assimilar o contato obtido – pouco frequente para habitantes de grandes centros – com as forças particulares da natureza. Todo mundo já viu um furacão na televisão e já sentiu o toque grosso do vento num dia de transtorno, guardadas dimensões, o redemoinho tropical é um fenômeno que mimetiza visualmente o furacão ao passo que tem força similar à da ventania. Numa já estabelecida era, em que boa parte do tempo é vivida através de telas, não ter filmado um evento raro, é algo, já naturalmente, passível de lamento.

Alá outro ali, olha lá. Tá formando outro, cara. E ele tá passando aqui na beirada, mãe!

Uma lufada de esperança traz a sensação de verdade e justiça. Enfim as lamúrias foram atendidas, as reclamações lançadas ao mundo surtiram efeito. A terra levanta timidamente do chão e já é possível delimitar o espaço visual do ar, agora é a hora da verdade, de sentir a benção ou as agruras do tal redemoinho. A câmera capta imagens corajosamente, como quem aperta a mão de alguém olhando nos olhos.

Olha lá, formou. E tá dando um arco-íris aqui agora! Olha a água! Olha alí! Mamãe! É Deus, Mamãe!

O redemoinho, que remexe o chão à margem do rio, parece nutrir-se da energia e empolgação humana ao seu redor, gira com maior intensidade e transfere seu espetáculo para o centro do córrego. O fenômeno, que já impressionava, torna-se épico: um magistral arco-íris se forma repentinamente na água. O entusiasmo é tão intenso quanto a paleta de cores que desponta a poucos metros das lentes. E quem mais especial para compartilhar esse instante que sua própria mãe? Mais que isso, sempre é possível duvidar de fenômenos óticos de terceiros, mesmo os registrados em vídeo podem sofrer acusações de edição tendenciosa; ninguém, no entanto, duvida da palavra de uma mamãe. Os gritos mesclam desespero e comoção, o que vem a seguir? Vozes celestiais, corpos com chagas, Deus veio nos salvar ou nos arrebatar?

Deu uma onda, cadê nossa prancha? Olha um cavalo branco ali! Olha um cavalo branco aparecendo ali do lado, olha lá!

Uma onda levanta-se sutilmente na superfície, com força suficiente para levar um barquinho de papel. O sistema todo foi afetado, tudo parece ser motivo para gritar, o exagero também insiste em ter seu nome registrado nessa história. Enquanto a câmera ainda foca na modesta onda, a locução já anuncia: um cavalo branco vai entrar em cena. Sim, aparentemente o equino simplesmente surgiu nessa já povoada trama, mas como? Quem trouxe esse animal para cá? Meu Deus, e como ele é branco e sereno, parece recém tirado de um panfleto feito por Testemunhas de Jeová. Se Drürer tivesse visitado esta cena, quinhentos anos antes, certamente teríamos uma bela gravura exposta no Louvre, ao lado da Mona Lisa.

Eu filmei tudo, mamãe! Eu filmei tudo, é Deus! Olha lá o cavalinho branco!

O enquadramento volta a ser objeto da confusão, vai de um lado a outro até se decidir pelo cavalo, que bebe água tranquilamente à margem do córrego. A mãe enfim chega na cena, discreta, emanando suavidade e plenitude; e como não poderia deixar de ser, tenta ensinar algo para o filho, enquanto também faz esforço para absorver toda a cadeia de eventos recém demonstrados.

Isso é Deus mostrando o poder dele, que ele existe. Ó Pai, eu entendo Senhor, eu entendo. O teu poder, Senhor. É o teu poder Senhor, tem misericórdia de nós, ó Pai! Somos pecadores, não merecemos o teu amor mas tu és poderoso!

A mãe começa seu discurso num tom acanhado, ainda ligando os pontos de toda essa materialização divina. Conforme as conexões vão sendo feitas a voz vai subindo e embargando. Ela luta para assumir o protagonismo da cena, é o seu ato, seu momento na peça. E o figurino não poderia ser mais adequado, despida de pudor e coberta de inocência, traja apenas um sutiã branco, imaculado.

Acabou de formar um tornado aqui, no meio da água.

O comentário do filho ignora toda a tentativa de pregação da mãe, é realmente difícil cativar a atenção dos jovens quando sugados pelos seus gadgets. Se bem que nesse caso, a distração é compreensível.

É o poder de Deus! É Deus mostrando o poder! É Deus falando: Eu estou aqui! Clamem! Me peçam e eu darei, eu tenho o poder, eu tenho o poder! Isso é ele falando eu tenho o poder, olha o que que eu faço!

Não me surpreenderia se uma bíblia surgisse nesse enredo, daquelas de bolso, tiradas de dentro do sutiã, seria a cena perfeita, mas Deus nem sempre faz as coisas do jeito que a gente deseja. Quase nunca.

E esse cavalo branco aparecendo?

O cavalo branco segue brilhantemente compondo o fundo da cena. Não existe apego ao foco, nunca vai existir. Mas e mães costumam desistir fácil? Também não podemos contar com isso.

E você viu o arco-íris? Ele mostrou o sinal da aliança! Você sabe o que é que é o arco-íris? – Deu uma onda! – Espera, presta atenção! Na bíblia tá escrito, toda vez que vocês virem um arco-íris essa é minha aliança com Noé! Nós somos a descendência de Noé! – E esse cavalo branco, ainda? – Essa é minha aliança com Noé! Olha aqui ó, aqui tá o símbolo da minha aliança! E olha aqui, cê filmou? – Filmei tudo! – Misericórdia, Senhor, eu te clamo em nome de Jesus! Eu creio no teu poder, eu creio na tua infinita bondade! Eu creio em ti Senhor, como Deus dos Deuses, como mestre dos mestres, como santo dos santos, como senhor dos exércitos celestiais; como senhor de Abraão, de Izak e de Jacó! Perdão Senhor, perdão! Perdão pela nossa desobediência, pela nossa ignorância! Perdão Senhor eu sei que nós somos imundice, trapos de imundice! Mas tu és bom! Tu manténs o Deus Poderoso! O capaz de transformar, o capaz de mudar, o capaz, Senhor, de operar nas nossas vidas! Tenha misericórdia, Senhor! Eu tô pelada, e você tá me filmando? Eu to queimando. Mas eu sou a favor, eu falei, Deus não fez o homem vestido não, Deus fez o homem foi nu!

A mãe enfim parece ter absorvido melhor as visões, começa a assimilar seu discurso com o fenômeno do arco-íris; ainda assim, sua voz apesar do tom de pregação, permanece um pouco carente. Ao que parece, a falta de atenção não denota desrespeito, é uma mistura de caos com DDA que controla voz por trás das lentes. A mãe insiste, protesta e pede atenção de forma mais incisiva; e é incrivelmente atendida, por cerca de quatro segundos. O enquadramento, que contemplava a mãe em primeiro plano – enquanto ela gesticulava de modo similar aos apresentadores de programas policiais –, muda para o cavalo. É aplicado um zoom capaz de auxiliar numa análise clínica da pelagem do animal, o bicho é realmente lindo, indubitavelmente nenhuma testemunha de Jeová seria capaz de pintar um cavalo tão perfeito. A mãe percebe o desvio, troca rapidamente o discurso por um breve diálogo e o enquadramento volta a contemplá-la. Chegou a hora de brilhar, a voz carregada de emoção começa a descrever sua paixão pelo divino. A oratória comove tanto, que o zoom chega até seus poros, mas logo vai embora (obrigado, Deus). O cavalo enfim deixa o quadro, o novo ângulo agora adiciona à cena algumas pessoas inquietas ao fundo em contraste com um carro estacionado. Mamãe sabe o peso de suas palavras, fala e já ensaia sua retirada, seu ato terá um desfecho em breve. O operador de imagem resolve nos mostrar de corpo todo o traje da interlocutora, felizmente um shortinho branco menos ousado faz par com o sutiã. Ela ensaia uma vergonha por sua falta de roupas, mas a gente sabe que tudo faz parte do roteiro, a voz vai se afastando conforme a câmera torna a focar o rio, o ato de mamãe então tem um fim.

O primeiro tornado eu perdi, mas o segundo tornadinho que passô…nós filmamos!

Não há mais discursos, redemoinho, ondas, arco-íris ou cavalo branco. Tudo foi, sobrou a insistência em permanecer filmando.

Dessa vez eu vou te falar, até eu arrepiei! – Deu pra filmar? – Eu arrepiei velho, arrepiei!

A câmera resolve se afastar da beira do riacho, vai de encontro com outro núcleo da trama, composto por espectadores menos emocionados com o acontecimento todo. Nada do que se passou foi o suficiente para tirá-los de seus afazeres: deitar na rede e beber cerveja. O nosso herói vira as lentes para si, os óculos escuros encobrem análises mais profundas, porém tais exames são dispensáveis, o próprio nos confidencia seus sentimentos.

Centraliza a Vanessa também, só virar o tripé um pouquinho. – Eu não sei pra que lado. – Pode virar, só virar. – Mais? – Tá bom. – Deus no redemoinho, Deus no redemoinho! – Cês tão vendo ocêis, né? – (Risos) – É bonito ver o povo bonito, não é? – Eu acho o maior barato. – (Voz inaudível) – Fala isso não, bate na boca. Todo mundo é bonito. – Todo mundo é bonito, só que tem uma beleza diferente. – Me desculpe as feias, mas beleza é fundamental. – Cê tá chato demais, deixa eu filmar esse meu primo aqui, gente, ele tá muito seletivo. Eu tô no politicamente correto. – Skol! Desce redondo.

A rede e a companhia de pessoas de sua idade parecem oferecer conforto, enquanto nosso provedor de imagens se acomoda é possível ver a silhueta de um cavalo no pingente em seu pescoço, é provável que ele use esse colar há anos, duvido que se lembre disso agora. Como todo bom diretor, ele preza por boas imagens, coordena o enquadramento do take que contempla sua companheira ao seu lado na rede. Ao fundo, em outra cena, ouve-se mamãe, mas logo sua voz some. Irradiam-se comentários sobre a beleza do casal, todos riem, todos dissertam sobre a beleza humana, ninguém parece se importar com o redemoinho, menos ainda com o cavalo branco. Um incômodo mal disfarçado toma conta, qualquer desculpa é válida para abandonar o posto e se reunir com quem também foi tocado pelo divino. No caminho ainda há tempo de promover mais uma interação tão bizarra quanto fugaz, com alguém que está muito contente em carregar uma cerveja cheia e que aparenta ter propensão a proferir slogans sem sentido. Fim do ato dos incrédulos.

Eu te peço ao senhor agora. – Tu és o Senhor. – Que porra é essa? Vai só o restinho. Tá fazendo gelo? Aí não tem jeito não. Vai, passa aí pra eu ver, melhorou bastante. – Cê filmou o negócio? – Filmei, tá tudo aqui.

O contraponto é parte essencial na obra: assim que o perímetro ocupado pelos descrentes é abandonado, hinos evangélicos celebrados aos berros tomam a narrativa de assalto. Duas pessoas ouvem música no banco da frente de um carro: mamãe (claro) e um menino bastante jovem, de olhos tristes. A câmera se desvia brevemente para a gênese de tudo, o rio; enquanto um diálogo, tão estranho quanto incompreensível, é abafado pela música. A criança aparentemente sofre por ter machucado o tornozelo, faz uma compressa modesta, com apenas uma pedra de gelo, no local magoado. A essa altura mamãe abandona o veículo, sem nem dizer para onde vai, provavelmente tem destino similar ao do cavalo branco. O menino não dá indícios de que gosta da cena; gelo, hino e machucado parecem só existir para punir. Preocupado em não ter presenciado os fenômenos de perto, ele quer saber se foi tudo filmado. Espero que ela não tenha visto o vídeo todo, apesar de duvidar disso. O gelo volta a queimar a pele, o registro final é de uma cara sofrida, de dor, mágoa e desgosto, como de quem acusa o golpe e está prestes a perder a luta. No entanto, fico tranquilo, refaço mentalmente os segundos seguintes que o filme não mostra, com a certeza de que nesse dia o único derrotado foi o bom senso do universo.

Escrito pelo Gabriel Protski

Previous ArticleNext Article

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cruzeiro do Sul 0 106

Para Gal

 

Navegar pelo mar Mediterrâneo ou pelos outros mares interiores da pequena Europa era relativamente seguro. As distâncias sempre foram curtas e, mesmo durante as noites, Alfa de Ursa Menor oferecia aos marinheiros uma orientação segura. Todas as estrelas e constelações do hemisfério norte orbitam em torno da estrela polar e a partir dela se sabia para onde ir ou qual direção evitar.

– Você é o brasileiro mais calado que eu conheço, sabia?

– Isso não é muito, sou o único brasileiro que você conhece.

– Não é verdade. Não te contei que eu morei dois anos em Salvador?

– Ah, então é por isso. Eu sou de Curitiba, e os curitibanos não falam muito.

– Mas eu também vivi em Curitiba, por seis meses. Dava aulas de inglês em uma escola de línguas. Eles nunca me pagaram e depois disso passei uma temporada trabalhando na Ilha do Mel. E insisto que você fala muito pouco.

Os silêncios de Antonio a desesperaram desde o primeiro contato. É que apesar dele sempre ter demonstrado interesse, e de que ao longo de toda a convivência sempre tenha sido tão atencioso quanto um companheiro pode ser, ela sentia que as palavras eram a forma mais eficiente para se evitar qualquer mal entendido. Aprendeu cedo que suas atitudes eram condicionadas pelos seus discursos e, por isso, ao longo de seus relacionamentos descobriu o quanto os homens tentam por meio das palavras (ou da falta delas) manter sua liberdade de ação.

Por isso, cada demonstração de afeto desacompanhada da correspondente declaração lhe provocava calafrios. Ainda pior era ver que tinha se interessado, outra vez, por um desses homens que abraçam pouco e falam menos ainda.

– Me dá um beijo?

– Bobo, há coisas que não se pergunta.

– Mas como eu posso conseguir coisas quando elas dependem de outras pessoas?

– Aí você tem que ter a coragem de tomar uma atitude e esperar que seja correspondido.

Para ele, eram justamente as palavras que provocavam os males entendidos. Tinha muita dificuldade em traduzir ao português, e depois ao inglês, ao espanhol, ao francês, o alcance e a intensidade de seus desejos, medos e aspirações mais profundas. Acreditava sinceramente que o olhar, o sorriso e a expressão corporal eram representações muito mais inequívocas de todos os conflitos pelos quais passava.

– Me escreve uma carta?

– Esqueceu que há coisas que não se pergunta?

– Eu sei, mas eu quero uma carta. Além do mais, você é que tem que tomar a iniciativa.

– Mas eu tomei, até pedi um beijo.

Ao fim e ao cabo, ele conseguiu não só um, mas incontáveis beijos. Molhados de saliva, molhados de suor, molhados de lágrimas. Doces, salgados, amargos. Distantes, próximos, falados, abraçados. Bianca também conseguiu mais cartas do que qualquer pessoa que houvera conhecido. Cartas enviadas de outras cidades, outros países, outros continentes. Cartas pretéritas, presentes, futuras, perfeitas e mais-que-perfeitas. Algumas sequer lhe eram endereçadas, mas à mulher que um dia havia sido, ou à mulher que talvez viesse a ser.

Abaixo da linha do equador existe outro mundo. A estrela polar desaparece no horizonte e mesmo as constelações conhecidas abandonam seu comportamento habitual. Nas noites de outono o imponente caçador Órion descansa deitado, acompanhado das Três Marias que compõem seu cinturão.

Do lado de cá nada é seguro como do lado de lá. Mesmo o Cruzeiro do Sul, que serve de bússola com seu ponteiro indicando o meridiano, nasce no leste e se põe no oeste como todos os corpos celestes. Há pouco espaço para certezas quando se navega por águas desconhecidas.

Daqui é curioso olhar que Antonio e Bianca inverteram as posições. Não porque seja um fenômeno particularmente comum em relacionamentos tão duradouros, mas porque a intromissão de um terceiro elemento sempre provoca transformações profundas.

Agora é Antonio quem busca estar sempre por perto e, ao sentir que a pouca distância ainda é muito longe, se agarra desesperadamente às palavras. Fala sobre as estrelas e as constelações, e como elas não são as mesmas nos dois hemisférios. Fala sobre o regime das marés, e como eles são influenciados pelos movimentos lunares. Fala tão corretamente quanto possível, cuidando da colocação pronominal, muito mais complicada no português do que em qualquer outro idioma que conhece.

E diante da impotência em estabelecer o contato que tanto busca, se vê refletido nos olhos dela. Tenta entrar, e fala que vai cuidar de tudo. Não como quem sabe que pode cuidar de tudo. Nem como quem acha que pode cuidar de tudo. Sequer como quem acredita que pode cuidar de tudo. Fala que vai cuidar de tudo como quem implora permissão para cuidar de pelo menos uma parte de tudo o que pode acontecer dali em diante.

Para ela, as palavras já perderam muito do seu sentido. Não é insensível à cena. Tampouco é demasiado tarde para ele. Mas ela sentiu no próprio corpo o amor que ali cresceu nos últimos meses, e percebe que ele não precisa de linguagem para se expressar.

Como um marinheiro perdido, Antonio assiste cada nova estria com o mesmo estupor com que os antigos navegantes miravam o céu sem a estrela polar. Compara aquela esfera crescente com o universo em expansão e busca, nas novas formas e desenhos, algum sentido de orientação. É inútil, os dias passam e ele não sabe o que esperar.

Ela o surpreende com um olhar grato e condescendente. A gratidão por saber que tem ao seu lado a melhor pessoa possível, e a condescendência de quem sabe que pode caminhar sozinha, mas prefere ter alguém com quem compartilhar a experiência.

Esse olhar o deixa mais tranquilo. Entende que talvez não possa cuidar de tudo, mas terá o seu espaço. Afinal, lá fora estão o céu, as estrelas, as luas e as marés, tudo por ser explicado e entendido. E tudo recomeça.

Demônio de Fausto 0 91

De todas as histórias que me propus  a contar, nenhuma terá tanto a dizer quanto aquele relato trapaceiro embaixo da ponte do Canal. Foi a história mais absurda que poderia ter descrito. Quando olhei pela janela hoje cedo e vi o céu, tive ainda mais certeza: era tudo verdade.

Meu interlocutor? Pergunta fácil. Audiente muito ilustre, vindo de um canto escondido do cosmos somente para aquela sessão rápida e informal. Talvez, por esse motivo, estava alvoroçado e um tanto irritado. Podia ser só arrelia da viagem também. Minha assimilação foi afetada primeiro pela surpresa da visita (eu estava caminhando perto da ponte do Canal sem a intenção de encontrar quem quer que fosse e por vezes tinha fugido da vista de um ou outro conhecido); depois, pela soberba daqueles olhos lancinantes, cravados em um rosto comprido, bochechas vincadas e testa escondida pela franja. Cabelo oleoso, sufocado por um pork pie hat preto. Ao contrário do que fez em sua última visita, desta vez não veio acompanhado da gangue de pequenos demônios orientados tão somente pelo espetáculo e pela inveja. O coro era solo.

“Alguma coisa precisa mudar meu jovem. Alguma coisa nessa sua vida de merda precisa ser movimentada com urgência!”

“Você deveria me dar conselhos ruins, via de regra, não?!”

“Cala a boca pirralho. Você acha que brilha!”

“Desculpa.”

“Escute aqui, prepara essa cabeça. Nessa sua próxima história pode até ter um amorzinho, mas no fim, a única justificativa para tudo precisa ser a aniquilação. Nada desse papo otimista, dessa merdarada futurista. Você tá me entendendo? O barulho tem que ser tão forte que os cérebros derretam instantâneamente e escorram através dos olhos, ouvidos, nariz e até pela boca. Quero cenas de terror. Violência gratuita. Tá me entendendo, pirralho?!”

“Tá bom cara, porra, não precisa insistir tanto desse jeito. Já saquei qual vai ser dessa vez: vou pintar um quadrão vermelho, cheio de tripas. Se é o que você quer, vamo ai.”

“Isso, isso mesmo. Nada de suspense psicológico, nada de aventura com desfecho ‘mais ou menos’. E chega de misticismo. Nada de enigmas, signos justapostos, pistas para o tesouro, nada de referência sem vergonha, muito menos esse negócio de diarinho lírico do cotidiano. Vai pro pau! EU QUERO PORRADA! Tá entendendo?!”

“Mas na última história já deixamos ouvidos sangrando e cérebros quase explodindo. Essa parada de tripas tá ficando manjada também. Livro sobre jantar canibal, sobre suicídio, tudo isso tá muito modinha, saca? Até aquele plot de personagens abandonados à própria sorte em um vilarejo macabro tá virando filme de Hollywood classificação doze anos. Ainda bem que o politicamente correto começou a morrer depois do mandato do Obama, ninguém aguenta mais essa onda de bom-mocismo. Além de ser hipócrita, pasteuriza TUDO.”

“Beleza cara. Ok, ok e ok! Não precisa ser tão de graça então. Pode ser algo mais sutil, mas mesmo assim, tem que ser algo de virar o estômago.”

“Faz tempo que tô pensando em fazer uma história sobre guerra química. Tá meio oportuno, eu diria. E se a gente fizesse algo com cianeto no meio?”

“Cianeto cara, sério?! Você é muito previsível mesmo. Cianeto é para suicídio gourmet. Coisa pra gente famosa, do calibre de Horácio Quiroga, do Hitler e da horda dele. Cianeto é veneno pra historinha de anarquista sérvio, eu quero mesmo é mostarda nitrogenada, aí sim a coisa fica interessante.”

“Meu caralho! Tu quer bagunçar as personagens nesse nível? Corre o risco de virar um show de bizarrice sem fim.”

“Sim cara, eu falei para você abrir essa sua cabecinha de merda. Falei que a porrada tinha que ser intensa. A primeira cena que me vêm à cabeça é uma imagem com as personagens ardendo após uma explosão daquela gosma amarronzada com cheiro de peixe. Imagina a galera sufocando, com os olhos fumegantes e a pele cheia de bolhas. Quero todo mundo com feições cancerígenas, como se tivessem saído de um filme do Cronenberg. O resto do enredo você constrói aí. Já te dei quase tudo de graça.”

“Certo, entendi.”

“E quero que seja em um lugar menos estigmatizado também, para causar impacto. Pode ser em um contexto abastado e pacífico, foda-se que vai perder um pouco da verossimilhança. Caso você não se esqueça daquela astúcia essencial, tudo vai terminar bem mal, com direito a aplausos. E não se esqueça eim, sem entregar muito a história até que tudo esteja se aniquilando em bolhas de linfa. Destrua uma coisa bonita que eu quero ver.”

Mefistófeles de Fausto e seu chapéu preto desapareceram antes mesmo da minha resposta. Não sei se terei os vinte e quatro anos sem envelhecer concedidos ao mago alemão ou se meus manuscritos nunca irão arder nas chamas, como os do dramaturgo russo. O fato é que coordenei as pontas de meus dedos sobre o teclado e não sei quando irei parar. Certamente será a história mais absurda que já contei. E, no final, vou dizer com insolência atrevida: era tudo verdade.

Texto de Jadson André