Quando Nos Anoitece

Quando Nos Anoitece

Date: julho 10,  2017
Author: Protski
Comments: 1 comentário
Categories: Conto, Literatura, Texto Curto

Nos subterrâneos de nossas lembranças guardamos recordações que não conseguimos mais enxergar.   Tateamos o obscuro na esperança de reconhecer as peças que nos formaram. A luz entra apenas por pequenas frestas, reavivando objetos que nos conectam com o passado, que vivemos e que inventamos.   Pintamos quadros.

Read More
A maldição de Marigol

Date: junho 27,  2017
Author: romulocandal
Comments: Nenhum comentário
Categories: Conto, Literatura, Texto Médio

Não demorou para que Mariel virasse Marigol entre os torcedores do Tricolor da capital. Quando ele apareceu, contratado como destaque em algum clube pequeno do campeonato estadual gaúcho, o time vinha jogando bem e criava muitas oportunidades no Brasileirão, mas a bola não entrava de jeito nenhum. Marigol tratou de.

Read More
Roi-de-rats

Date: Maio 22,  2017
Author: romulocandal
Comments: 1 comentário
Categories: Conto, Literatura, Texto Médio

Terceira multa em quarenta minutos, o dia estava agitado para Bianca e ela gostava disso. Era o sétimo mês trabalhando como periquita da Setran e a moça se divertia como em nenhum outro de seus empregos anteriores. Sentia prazer em multar – ela dizia "Gosto de dar multa porque é.

Read More
Nos conformes

Date: Maio 12,  2017
Author: marco
Comments: Nenhum comentário
Categories: Conto, Literatura

Ester queria porque queria uma azinheira nos fundos da chácara. Contava com a devoção por Fátima como arma, mas também fazia sua parte de insistir com Vilson. “Cê tá duro que é um tijolo. Vai ficar lindinha, mandamo trazer grande já”. E se ele queria plátanos para o caminho entre a casa e o.

Read More
Serviço Nacional de Contrainformação Otomano

Date: Maio 04,  2017
Author: Protski
Comments: 1 comentário
Categories: Conto, Literatura, Texto Curto

Constantinopla, 25 de março de 1830.   – As coisas não andam nada bem. Por que diabos fomos matar aquele inglês intrometido? Se o tivéssemos capturado e dado um título no nosso império, é bem capaz que até escreveria alguns poemas a nosso favor.   – Sei lá, filelenos, vai entender...   – É, vai saber.

Read More
Colecionador de não encontros

Date: Maio 02,  2017
Author: carolrehbein
Comments: Nenhum comentário
Categories: Conto, Literatura

Texto e ilustração: Caroline Rehbein

  Resolveu entrar no bar. Pediu uma cerveja e um pastel, enquanto esperava permaneceu contando as gotículas que compunham o gelo da garrafa estampada no refrigerador. Gostava de comer sozinho, de andar sozinho, como também morar e passar todo tempo livre que podia sozinho. Era.

Read More
A herança de tesouros incalculáveis

Date: Abril 27,  2017
Author: carolina
Comments: Nenhum comentário
Categories: Literatura, Texto Longo

Meu pai foi um professor de sonhos.

Minha mãe, sol a pino entre os temporais.

Enquanto ele nos ensinava que havia sempre novos caminhos e formas inexploradas entre as paisagens regulares, ela deixava aflorar suas profundezas. Havia muitas ali dentro. Acho que nem.

Read More
Um dia eu chego lá

Date: Abril 18,  2017
Author: romulocandal
Comments: 1 comentário
Categories: Conto, Literatura, Texto Médio

Desde menina – mais especificamente dos nove anos em diante –, decidi que, quando morrer, quero ser das que deixam algo pra trás. Não uma história de superação em vida, fortuna pra família nem atos heroicos. Só quero causar uma última impressão críptica, dessas que, depois do ocorrido, alguém acaba.

Read More
O Número Que Você Ligou Encontra-se Desligado Ou Fora Da Área De Serviço

Date: Março 28,  2017
Author: Protski
Comments: Nenhum comentário
Categories: Conto, Literatura, Texto Curto

O ônibus? Acho que daqui uns dez minutos ele passa, não demora muito não. Já, já peguei sim. Pegava bastante pra ir pro trabalho. Não vou pegar hoje não. Faz tempo que não pego ônibus. Tô só me.

Read More
À noite

Date: Março 16,  2017
Author: petrini
Comments: Nenhum comentário
Categories: Literatura, Verso

O pai nunca gostou de contar seus sonhos ou de pagar caro nas coisas. Depois de dividir tudo, a casa, a roupa, a comida, a fé, o nome, a cor e até o nariz torto meio quebrado, guardava os sonhos dentro do cofre, assim mesmo, meio apertado com a saudade bem ao lado. Era um homem de poucos sonhos e muitas contas. Um.

Read More