Texto de em 31 de outubro de 2017 . Nenhum comentário.

é um passeio entre livros (não li), entregas pelo correio, loções pós-barba, bebês fofinhos. uma jornada através de printscreens com players (músicas que nunca ouvi) e monitores com textos e mais textos (nunca lerei). são famílias (outras), países (desconheço) e gente usando uniformes de times (não o meu). notas de dinheiro, brindes, #ads. belos cabelos coloridos (me falta a coragem), nhoque orgânico, trânsito, caminhadas em pores-do-sol (aqui só chove). um gato se refestela num raio de dia, doces lindos (nunca vi e devem ser um pesadelo para diabéticos). arte bonita (não entendi mas gostei), artesanato (não gostei). um rapaz faz um solo de guitarra (jamais tocarei) enquanto um time de futebol (dessa vez o meu) termina os treinamentos para a próxima batalha (vai perder). uma escritora local (pouco li) é laureada. coisas estranhas e coisas mais estranhas (ainda não vi). voluntários (nunca fui) ajudam necessitados (também não fui). tatuagens ficam prontas (histórias que não vivi) e depois tatuadores dão voltas com seus animaizinhos (não tenho).

é um passeio entre cinzas de cigarros, entre cafés chiques, entre vinhos caros e pizzas (não provei). entre fotos de museus (não visitei) e telas de pinturas (não estão prontas). uma viagem por entre cervejas (gostaria mas não bebi), entre terminais de ônibus, pessoas sonolentas e plantas suculentas.

 

de quantas histórias precisamos para focar em nossas próprias?

 

 

por Rômulo Candal