Carretera de La Vida

Date: Março 13,  2014
Author: carolina
Comments: Nenhum comentário
Categories: Sem categoria

postado pela Carol Capacete para moto, joelheiras, cotoveleiras, uniforme impermeável em detalhes laranja-berrante para identificar-me na excursão, o par de luvas grossas que me protegeriam de uma guerra no Ártico, olhar de mulher combativa e a bicicleta. Estava pronta. Há não mais que um ano e meio me dispus a perder.

Read More
Barbatanas

Date: Março 10,  2014
Author: marco
Comments: Nenhum comentário
Categories: Sem categoria

O que fizestes com tuas brânquias, oh criatura? Pensas então que não eras mais feliz em barbatanas? Abandonastes o que te deram, os benefícios com que a natureza lhe proveu. As facilidades vencedoras das dificuldades. As adaptações. Eras melhor, criatura! E veja o que fizestes dispensando tais atributos.

Oras, por que,.

Read More
Queria

Date: Março 06,  2014
Author: marco
Comments: Nenhum comentário
Categories: Sem categoria

Queria água encanada.

Queria uma toneira monocomando (http://bit.ly/1l7asPq).

Queria ser feliz.

Henrique.

Read More
Jovem escorrega e cai do oitavo andar no centro da cidade

Date: Fevereiro 20,  2014
Author: romulocandal
Comments: 1 comentário
Categories: Sem categoria

Rômulo Candal

Ouviu o nome enquanto passava ao lado de uma tevê ligada no jornal local, durante a fila do bufê, indo do nhoque à bolonhesa pra lasanha quatro-queijos e só conseguiu pensar “nossa, que coincidência esquisita”, mas o pensamento passou tão rápido que Mariana nem prestou muita atenção. Renan Oliveira.

Read More
Devagar tendendo ao caos

Date: Fevereiro 17,  2014
Author: carolina
Comments: Nenhum comentário
Categories: Sem categoria

metade da Carol, metade do Rafael. Mas não tão simétrico assim. - Me enveredei por descaminhos. - O que lhe acontece? Ou o que você acontece ao mundo? - Sinto que sigo, mas que não está certo… - Nem sempre chegamos a ter um fim, por isso precisamos ser sinceros enquanto perseguimos. - Talvez você.

Read More
Teu nome é tempo, vento, vendaval

Date: Fevereiro 13,  2014
Author: marco
Comments: Nenhum comentário
Categories: Sem categoria

Recreio em uma escola municipal, três anos atrás. Era junho e o frio tinha começado a incomodar, o que fazia todo mundo ficar meio desconfortável e se vendo forçado a tirar as peças mais pesadas do guarda-roupa. Alunos, Pais & Mestres pareciam picolés, curiosamente. Todos meio duros dentro de toucas e.

Read More
Em algum lugar algo nos espera

Date: Fevereiro 11,  2014
Author: rafael
Comments: Nenhum comentário
Categories: Sem categoria

por Rafael Após anos morando nas ruas, chego à conclusão de que pressa e vida pouco se dizem respeito. Durante anos corri atrás de prazos e metas para um futuro em que o mundo estaria ao meu alcance. Mas só agora, sentado à margem desta calçada, sinto que finalmente alcancei minha.

Read More
Carlos, o Silêncio e a Sirene

Date: Fevereiro 03,  2014
Author: Protski
Comments: Nenhum comentário
Categories: Sem categoria

Lucas Simões

Tô ouvindo uma sirene dentro da minha cabeça. Tá assim desde a hora em que acordei, com um susto, claro. Não entendi como troquei o Nokia Tunes por esse barulho insuportável. Desligo o celular e o barulho se vai, pro meu alívio. Abro o chuveiro e o barulho volta, pra.

Read More
Morfamando

Date: Janeiro 27,  2014
Author: carolina
Comments: Nenhum comentário
Categories: Sem categoria

da Carol. quero ser teu radical tua base onipresente formar tuas derivações percorrer conjugações ser convívio em tua mente logo me faz parassíntese sorve minh’alma incompleta tal que a ausência do prefixo a falta do teu sufixo vão tornar-me desconexa derivai-me louca e imprópria própria a qualquer sentido sem mudar-me ou suprimir possa em ti subsistir como advérbio ou adjetivo faz-me sigla, abreviação alivia esse meu peito faz.

Read More
Tudo é sempre um tanto

Date: Janeiro 16,  2014
Author: rafael
Comments: Nenhum comentário
Categories: Sem categoria

por Rafael Às 2:42 da manhã H. dormia e sonhava com coisas que ainda levará anos para decifrar. A recorrente tortura de se deparar com um medo qualquer e tentar fugir em uma disparada que nunca acontece. Escorrega, derrapa, até que acorda ofegante e se acalma para voltar a dormir. Mas.

Read More